O ouro tem mantido o seu valor, independentemente do estado da economia, devido à sua resistência e escassez. O ouro é um dos poucos metais que não se degrada com o tempo, o que o torna altamente valioso. Devido à estabilidade do seu valor, as pessoas tendem a investir os seus bens em barras de ouro para se proteger contra a desvalorização do papel-moeda.

O preço actual de mercado do ouro, que neste momento já ultrapassa os US $1.500, e a procura, parecem indicar que há muita incerteza sobre o futuro que é diametralmente oposto ao que muitos economistas estão a declarar, ou seja, que estamos no bom caminho para a recuperação. Uma série de factores não são levados em conta para a elevada procura por ouro, incluindo um clima de instabilidade geopolítica com guerras generalizadas, assim como a guerra contra o terrorismo. As pessoas estão preocupadas com o futuro e, no caso de guerra, a única coisa que irá manter o seu valor, será o ouro.

Há vozes pessimistas que acreditam que vamos enfrentar uma grave recessão, ainda por vir. Eles sentem que a segunda parte da recessão pode ser ainda mais grave do que a primeira e que irá conduzir o valor dos metais preciosos a picos nunca antes vistos, em especial o ouro a prata. Vale a pena investir no preço actual de mercado do ouro, pois este pode até mesmo dobrar, se formos confrontados com uma hiperinflação ou o colapso de algumas instituições financeiras.

Durante muito tempo, a valorização do ouro em dólares ajustados à inflação manteve-se estável. Actualmente, e segundo esta medida de avaliação, o ouro a 1.400 dólares por onça regista um desvio padrão de 2,5 acima da sua média a longo prazo. E o ouro está também caro tendo em conta o seu custo de extracção, custo este que o Credit Suisse afirma situar-se nos 600 dólares por onça.

A Goldman Sachs aponta para valores de 1.690 dólares por onça até ao final de 2011, quase 20% acima do preço actual.

Não é o ouro que está a subir, mas sim o papel-moeda a desvalorizar, dizem alguns economistas. Com a desvalorização das poupanças e a crise financeira, aqueles que se refugiam no ouro tentam evitar a pesada factura.